menu

Anuncie aqui.

6 de maio de 2015

CATAS ALTAS - MG


A formação do povoado que deu origem ao atual município começou a ocorrer no final do século XVII por volta de 1694 com a descoberta de ricas minas auríferas mais tardes denominadas de Catas Altas . 


O historiador Salomão de Vasconcelos afirma que quase nada se conhece a respeito dos verdadeiros descobridores da região onde está localizado o município e sobre a fundação de Catas Altas. Mas em anotações atribui-se a Domingos Borges a fundação do arraial em 1703. A história de Catas Altas, assim como de diversas cidades mineiras, está relacionada com o ciclo da mineração no século XVIII. O nome “Catas Altas” provém das profundas escavações que se faziam no alto dos morros. A palavra “catas” significa garimpo, escavação mais ou menos profunda, conforme a natureza do terreno para a mineração. No povoado, as catas, os garimpos, as minas mais ricas e produtivas, estavam situadas nas partes mais altas, isto é, se encontravam no alto da serra e por isso, a atual cidade ficou conhecida como Catas Altas. “O povo vendo que cada vez mais que o ouro estava diminuindo nos leitos dos rios e córregos, e com abundância nas partes altas, diziam: ‘as catas estão altas’, ‘as catas estão ficando em lugares mais altos’, ‘as catas estão em lugares de mais difícil acesso’. Situada aos pés da Serra do Caraça e resguardados pelo contraforte da serra do espinhaço Catas Altas integra o Circuito do Ouro ao longo da Estrada Real.


Em 1712 ocorreu o primeiro registro de batismo em uma Capela de menor porte com invocação á Nossa Senhora da Conceição, 1729 teve início a construção da atual Igreja Matriz de mesma invocação , substituindo a antiga capela . A Atual Igreja Matriz pertence a segunda fase do barroco e permanece com seu interior inacabado possibilitando aos visitantes conhecerem as etapas de construção e policromia tornando-se um dos mais importantes ícones da arquitetura e ornamentação do Brasil neste estilo.


Durante o ciclo da mineração Catas Altas foi um dos mais ricos e populosos arraiais de Minas Gerais, com o esgotamento das minas o arraial ficou praticamente abandonado Em 1868, chega em Catas Altas o Monsenhor Manuel Mendes Pereira de Vasconcelos para ser o vigário do arraial. Logo percebe o estado lastimável em que se encontrava o lugar, além do abatimento moral estampado nos rostos dos poucos moradores que ainda não haviam emigrado. O padre nota a ausência de qualquer forma de cultura de subsistência. Milho, arroz, feijão, toucinho, tudo é provido pelos tropeiros.


 O vigário chega a conclusão de que, além da escassez do ouro, as causas de tamanha decadência foram as ações assistencialistas que criaram uma perniciosa acomodação ao distribuir tudo que a população necessitava com hora e local marcado. Monsenhor Mendes acreditava que, para provocar mudanças drásticas, era necessário educar as pessoas, ensinar a cultura de subsistência e desenvolver o conceito da vida em comunidade. Logo pensa ser possível produzir até mesmo o vinho que necessita nas missas ao encontrar, na casa de um amigo, uma muda de videira americana. 



Monsenhor Mendes ensina ao povo como plantar as videiras, as épocas das podas, das colheitas, como esmagar as uvas, o período de fermentação, o armazenamento adequado para não acontecer nenhuma alteração. E assim, o vigário conseguiu que a produção do vinho de Catas Altas aumentasse cada vez mais, sempre com melhor qualidade. Em 1884, Monsenhor Mendes publica um manuscrito com “as noções úteis ao fabricante de vinho”, contendo informações sobre o feitio da bebida, as diferenças dos vários processos empregados, e a prevenção junto ao fabricante contra práticas que podem estragar o vinho. O padre acaba ganhando a mídia nacional e faz Minas Gerais sair do anonimato na produção de vinhos. O vinho de Catas Altas era comparado por autoridades no assunto com o Porto e o Xerez.


Monsenhor Mendes se torna um conhecido viticultor, sempre defendendo a videira americana e a qualidade do vinho produzido em Catas Altas. “Confrontada com a videira Laprusca, explorada pelos europeus, a nossa videira americana, espalhada em tanta profusão por estas Catas Altas, será sempre a preferida por muitas razões. A sua uva uma vez que esteja perfeitamente madura e, embora produzida pelas videiras muito próximas a seu estado selvagem, é notada pelo cheiro balsâmico e pelo sabor muito agradável e pronunciado”, anotou o padre.





A produção do vinho colaborou para que a população elevasse sua auto-estima. Uns plantavam as videiras, outros fabricavam o vinho, outros comercializavam o produto, numa cadeia em que o dinheiro girava e todos saíam ganhando. O vinho de Jabuticaba surgiu quase 80 anos depois do vinho de uva, em 1949 pelo senhor Anastácio de Souza. Antes as jabuticabas eram utilizadas para licor, o que muito se encontrava nas casas tradicionais do arraial. O vinho de Jabuticaba surgiu quase 80 anos depois do vinho de uva, em 1949 pelo senhor Anastácio de Souza. Antes as jabuticabas eram utilizadas para licor, o que muito se encontrava nas casas tradicionais do arraial.
Entre 1839 e 1995, Catas Altas pertenceu ao município de Santa Bárbara emancipando-se através da lei nº12. 030, de 21 de dezembro de 1995. Com uma população de 4561 ( Censo IBGE, 2007), com uma área de 240,223 km², Faz limites ao norte e oeste com Santa Bárbara, ao sul com Mariana e ao Leste com Alvinópolis.

Nos dias de hoje Catas Altas vive da mineração de ferro e tem o turismo como uma alternativa de renda e sustentabilidade garantindo as futuras gerações as paisagens naturais e plena harmonia entre economia, geração de renda e qualidade de vida.




Nenhum comentário:

Postar um comentário